Monday, August 15, 2005

Uma explicção pormenorizada do Pico do Petróleo

O irmão gémeo das Alterações Climáticas (Aquecimento Global) chama-se "Pico do Petróleo" e é a verdadeira razão para o lançamento da "guerra ao terrorismo", o assalto ao Médio Oriente e a Ásia Central em suma o militarismo do nosso tempo, está centrado pela sede do recurso mais precioso e também crescentemente mais escasso do nosso tempo:o petróleo. Mas enquanto as elites imperialistas fazem soar os misseis e as bombas, a ameaça da maior crise económica global que a humanidade já viu, paira sobre todos nós.

O que poderá estar em causa não é menos que o fim da "civilização industrial".

Assim que a taxa máxima de extracção mundial de petróleo seja atingida (o "Pico do Petróleo") a oferta de petróleo vai declinar a cada a ano a uma taxa média estimada de 3%. Numa economia mundial que necessita de crescimento economico prepetuo para funcionar, o crescimento prepetuo do input de energia é fundamental. O fim da abundancia do petróleo barato vai expor a nossa dependência deste liquido viscoso, que é extrema.

Só a disponiblidade de petróleo barato durante o século XX possiblitou o crescimento exponencial da população mundial de 1.5 biliões de pessoas para 6.5 biliões de pessoas.

A agricultura industrial alimentou essa população com todo um sistema produtivo desde os pesticidas e fertilizantes até à distribuição altamente intensivos em combustiveis-fosseis.

O Pico do Petróleo é irmão gémeo do Aquecimento Global, carece que o diga, porque se alimentam mutuamente, quanto mais extremado o clima mais máquinas usamos para salvaguardar o nosso conforto, quanto mais máquinas mais consumo de petróleo logo mais declínio da produção dos campos "maduros" (para lá do pico) logo mais produção petrolífera (para mais consumo) logo mais emissões.

Trata se como eu já disse da maior crise de civilização alguma vez vista. Pior que a queda do império romano.

Algo como a grande depressão de 1929 nos Estados Unidos só que global e permanente.

Odeio ser eu a trazer as más noticias mas é preciso espalhar a noticia e procurar mitigar o problema, o tempo corre contra todos nós, pois ninguem está imune a esta dependência.

O meu nome é Luis Rocha.


Uma explicação enciclopedica da questão segue a seguir:



Pico de Hubbert
De Wikipedia, a enciclopédia livre.

A teoria pico de Hubbert, conhecida também como o pico do petróleo , é uma teoria influente a respeito da taxa de extracção e depleção a longo prazo de petróleo convencional e de outros combustíveis fósseis. Prediz que a produção de petróleo futura do mundo alcançará um pico e depois declinará rapidamente. O ano real do pico só será sabido somente depois de passado o pico. Baseado em dados disponíveis de produção, os cientistas proponentes (da teoria) já predisseram os anos pico para ser 1989, 1995, 1995-2000, ou, de acordo com um grupo influente a ASPO, 2007 para o petróleo e um tanto mais tarde para o gás natural. Isto pode conduzir a uma ou outra, grandes consequências catastróficas ou consequências económicas menores para o mundo, já que a civilização moderna é dependente de combustíveis fósseis baratos e abundantes, especialmente para o transporte. A teoria do pico de Hubbert (nomeada para o geofísico M. King Hubbert , que predisse correctamente o pico da produção de petróleo dos EUA 15 anos adiantado) embora controversa, está influenciando cada vez mais fazedores de política dentro da indústria petrolifera e o governo (americano). O debate é agora raramente sobre se haverá um pico, mas quando será e se os efeitos do pós-pico serão severos ou moderados. Mesmo os relatórios mainstream, os mais generosos estimam que as reservas de petróleo duram 100 anos ou menos.

A curva de Hubbert , projectada por M. King Hubbert , é um modelo matemático da disponibilidade futura de petróleo.

Teoria de Hubbert

O petróleo e outros combustíveis fósseis são o resultado da historia geológica, criado quando a matéria orgânica decomposta foi comprimida debaixo da terra há milhões de anos atrás e se transformou devido a determinados processos físico-químicos. Tal como todos fluxos de energia e reservas disponíveis restantes de energia na terra (à excepção da energia geotérmica , da energia das marés , e da energia nuclear), estão em última análise ligados ao sol . Os combustíveis fósseis são energia solar armazenada e são uma fonte não-renovável de energia - há uma quantidade finita deles, e as suas reservas não estão a ser reabastecidas (pelo menos, não a uma velocidade comparável àquela da sua extracção). Isto é verdadeiro apesar da sua aparente abundância e da descoberta de reservas previamente desconhecidas.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/su/a/a2/Hubbert-curve.png


O geofísico M. King Hubbert criou um modelo matemático de extracção do petróleo que predisse que a quantidade total de petróleo extraída através do tempo seguiria uma curva logistica . Isto implica por sua vez que a taxa predita da extracção do petróleo em toda a hora dada estaria dada então pela taxa de mudança da curva logistica, que segue uma curva em forma de sino conhecida agora como a curva de Hubbert (veja a figura acima). Em 1956, Hubbert predisse que produção de petróleo nos estados unidos continentais picaria nos 1970s. A produção de petróleo dos Estados Unidos picou correctamente em 1970, e tem diminuído desde então. De acordo com o modelo de Hubbert, as reservas de petróleo dos Estados Unidos seriam esgotadas antes do fim do século XXI . A teoria do pico de Hubbert é mais frequentemente aplicada ao petróleo mas é aplicável a outros combustíveis fósseis tais como o gás natural , o carvão e o petróleo não-convencional .

Dada a documentação da produção de petróleo e retirando factores estranhos tais como a falta de procura, o modelo prediz a data da produção de petróleo máxima output para um campo de petróleo, campos de petróleo múltiplos, ou uma região inteira. Este ponto máximo da saída é referido como o pico . O período após o pico é referido como a depleção. O gráfico da taxa de produção de petróleo através do tempo de um campo individual de petróleo segue uma curva em forma de sino: primeiramente, um aumento de produção constante lento; então, um aumento afiado; então, um plateau (o "pico"); então, um declínio lento; e, finalmente, um declínio íngreme.
Quando uma reserva de petróleo é descoberta, a produção é inicialmente pequena, porque nem toda a infra-estrutura requerida foi instalada. Etapa por etapa, mais poços são perfurados e estruturas cada vez mais funcionais são instaladas a fim produzir uma quantidade crescente de petróleo. Num certo ponto, um pico de output é alcançado que não pode ser excedido, mesmo com tecnologia melhorada ou perfuração adicional. Após o pico, a produção de petróleo lentamente mas cada vez mais declina. Após o pico, mas antes que um campo de petróleo esteja vazio, um outro ponto significativo é alcançado quando é preciso mais energia para recuperar, transportar e processar um barril de petróleo do que a quantidade de energia contida nesse barril. Nesse ponto, o petróleo não é de valor para extrair para a energia, e o campo pode ser abandonado. Os proponentes do pico da teoria de Hubbert reivindicam que isto é verdadeiro qualquer que seja o preço do petróleo. Este conceito é referido como a relação da energia extraída à energia investida.

A organização ASPO prediz que a produção de petróleo atinge o pico ao redor 2007.

Predição do Pico do Petróleo

A associação para o estudo do pico do petróleo e do gás é uma organização fundada pelo geólogo Colin Campbell . Discute que o modelo de Hubbert está fundamentalmente correcto, e que o mundo enfrenta o ponto médio ou taxa máxima da produção de petróleo global em torno de 2007, depois do qual o declínio da produção começa. Isto podia potencialmente conduzir a uma grande crise global no começo do século XXI. Os proponentes da teoria do pico do petróleo apontam para o facto que a taxa da produção de uma porcentagem crescente de campos de petróleo está ou no começo de um declínio ou sua taxa está declinando já. Os campos de petróleo enormes, facilmente explorados são prováveis de ser uma coisa do passado. O gás natural espera-se picar em qualquer lugar 2010 a 2020 (Bentley, 2002).

Exacerbando o problema potencial da depleção do petróleo está a procura global crescente para o petróleo devido ao crescimento da população e à prosperidade económica global aumentada. Em um ano recente, 25 biliões de barris de petróleo foram consumidos à volta do mundo, quando somente oito biliões de barris de reservas novas de petróleo foram descobertos.
Em março de 2005, as projecções levantadas pela agência de energia internacional da procura global anual eram de 84,3 milhões de barris por o dia ( [ 1 ] ), que significa mais de 30 biliões de barris anualmente. Isto põe o consumo igual à produção, não deixando nenhuma capacidade em excesso. Mesmo que haja temporariamente as reservas suficientes de petróleo que possam ser usadas para corresponder à crescente procura global, há um limite desconhecido para o aumento da capacidade de produção de petróleo, e um ausente investimento adicional em estruturas de produção de petróleo, de transporte e de refino. Também em março de 2005, o ministro argelino para a energia e minas indicou que o OPEP alcançou o seu limite de produção de petróleo. [ 2 ]
A frase "o fim do petróleo barato" , usada para descrever o resultado final predito, refere-se aos aspectos monetários e de eficiência energética (isto é o preço aumentará devido à escassez e à ineficiência crescente da produção de petróleo). Quando a produção de petróleo começou primeiramente no começo do século XX, nos maiores campos de petróleo 50 barris de petróleo foram recuperados por cada barril de petróleo usado nos processos da extracção, de transporte e de refino. Esta relação transforma-se através do tempo em cada vez mais ineficiente: actualmente, entre um e cinco barris de petróleo são recuperados por cada barril usado nos vários processos de recuperação. Quando esta relação alcança o ponto onde é preciso um barril para recuperar outro barril, o petróleo torna-se inútil como energia. Nesse ponto, toda a energia usada extrair o petróleo resultaria em uma perda de energia líquida; a sociedade seria mais eficiente e ficaria melhor usando essa energia restante em outra parte. Como seria de esperar de qualquer teoria que prediz escassez futura de combustível, o modelo de Hubbert tem ramificações significativas em política , política económica e negócios estrangeiros.

A administração da informação da energia não prediz nenhum pico antes ao menos de 2025. Fonte: Outlook Internacional 2004 Da Energia. A agência de energia internacional faz uma projecção similar

Crítica

Poucos negariam que os combustíveis fósseis são finitos e que fontes de energia alternativa devem ser encontradas no futuro. A maioria dos críticos prefere discutir que o pico não ocorrerá muito cedo e que a forma do pico não necessita ser um pico de curva logistica afiada mas podem ser picos irregulares e prolongados.
Em 1971 , Hubbert usou dados de estimativas elevadas e baixas de reservas de petróleo global para predizer que a produção de petróleo global picaria entre 1995 e 2000 . Este pico não ocorreu; entretanto, deve-se anotar que a predição de Hubbert foi feita antes do recessão forte do começo de '80, e a queda subsequente no consumo de petróleo do mundo, o efeito da qual poderia atrasar o pico predito. As implicações para o modelo são controversas. Alguns economistas do petróleo, tais como Michael Lynch , discutem que a curva de Hubbert com um pico afiado é inaplicável globalmente.
O United States Gelogical Survey (USGS) estima que há bastantes reservas de petróleo para continuar as taxas actuais de produção por pelo menos 50 a 100 anos. Um estudo do ano 2000 USGS de reservas do mundo de petróleo predisse um pico possível na produção de petróleo em torno do ano 2037. Isso é contrastado por um importante insider saudita da indústria petrolífera que diz que a previsão do governo americano para a fonte de petróleo futura é "uma perigosa over-estimate". [ 3 ] Campbell discute que as estimativas da USGS metodologicamente distorcidas. Um problema, por exemplo, é que os países do OPEP estimaram por cima as suas reservas para obter maiores quotas mais de produção de petróleo e para evitar a crítica interna. O crescimento económico e populacional puderam requerer mais consumo de energia no futuro.
Além disso, a estimativa de reservas da USGS parece dever tanto à política como à pesquisa. De acordo com a administração de informação de energia do departamento de de energia dos E.U., as "estimativas são baseadas nas considerações não técnicas que suportam o crescimento doméstico da fonte aos níveis necessários à procura projectada [ ênfase adicionado ]" [ outlook anual 1998 da energia de http://tonto.eia.doe.gov/FTPROOT/forecasting/038398.pdf com projecções a 2020 ]
Os críticos tais como Leonardo Maugeri indicam que os apoiantes do pico de Hubbert tais como Campbell predisseram previamente um pico na produção de petróleo global em 1989 e em 1995, baseado nos dados da produção de petróleo disponíveis nesse tempo. Reivindica que quase todas as estimativas não fazem exame do petróleo non-conventional do cliente mesmo que a disponibilidade destes recursos seja enorme e os custos de extracção, embora ainda muito altos, tendem a cair devido à tecnologia melhorada. (o inconveniente de A a esta posição é que as fontes pesadas do petróleo nunca serão tão lucrativas quanto as fontes claras atuais de petróleo, na produção avalia e ganho da energia). Além disso, anota que a taxa da recuperação dos campos de petróleo existentes do mundo tem aumentado aproximadamente 22% em 1980 a 35% hoje devido à tecnologia nova e predi-lo que esta tendência continuará. De acordo com Maugeri, a relação entre reservas provadas de petróleo e a produção actual melhorou constantemente, passando de 20 anos em 1948 a 35 anos em 1972 e alcançando aproximadamente 40 anos em 2003. Também de acordo com Maugeri, estas melhorias ocorreram mesmo com investimento baixo na exploração nova e tecnologia promover devido aos preços de petróleo baixos durante os últimos 20 anos. Os preços de petróleo mais elevados actuais podem jorrar o investimento aumentado causa (Maugeri, 2004).
Há muitas outras tentativas de predizer a produção de petróleo. Um exemplo é que a produção global de petróleo convencional vai picar algures entre 2020 e 2050, mas é provável que o output é aumente a uma taxa substancialmente menor depois de 2020. Um continuo rápido aumento na produção de petróleo requer um aumento na exploração de fontes não-convencionais (Greene, 2003).
Em Junho de 2005, a OPEP admitiu que eles vão 'lutar' para bombear petróleo suficiente para corresponder à pressão dos preços para o 4º quartrimeste do ano. É esperado que o verão de 2005 leve os preços a um novo recorde; alguns diriam que este é o primeiro exemplo da procura começar a ultrapassar a oferta. Outros poderiam acusa-lo a várias forças geopoliticas nas regiões onde o petróleo é produzido. Uma outra explicação para o crescente aumento dos preços do petróleo é que é um sinal de demasiado papel moeda e não de pouco petróleo. Nesta visão, preços dramaticamente altos de todas as commodities e de U.S. “real estate” (custos de habitação) indica aumento de inflação.

5 Comments:

Blogger Polietileno said...

This comment has been removed by a blog administrator.

3:43 PM  
Blogger Polietileno said...

Muito obrigado pela sua exposição, as suas contribuições são muito apreciadas.

Seja benvindo à Comunidade Portuguesa de Ambientalistas (http://pub26.bravenet.com/sitering/show.php?usernum=2211127234).

11:56 AM  
Blogger Afrancesado said...

É a 1* vez que visito este sitio, mas já me interesso por estas questões á muitos anos (sou aderente a Malthus).

Gostava que o Luis Rocha fizesse com o numero de descobertas (superiores a 500 mil barris), uma coisa parecida ao que fez abaixo com os preços, seria ainda + elucidativo. Assim de cor, será qualquer coisa do género:
1999 - 18
2000 - 11
2001 - 5
2002 - 2
2003 - 0
2004 - 0
Gostava de ver comentários de economistas sobre estes numeros!

7:46 AM  
Blogger Luis Rocha said...

Tenho noção desses números de que me falas através de um relatório do especialista em petróleo inglês (editor da Petroleum Review) chamado "Oil Field Mega Projects 2004".

Eu também gostava que os economistas levassem em conta estes numeros, mas infelizmente todos acreditam que tudo vai continuar a funcionar como dantes na economia porque "sempre assim foi desde a revolução industrial", é o velho paradigma da economia clássica.

E quanto a Malthus ele de facto tinha razão antes do tempo.

Se quiseres fazer mais sugestões para o meu blog ou até enviar-me um texto para eu o postar aqui está à vontade, o meu mail é peakoilemportugoil@yahoo.com.br e estou aberto a colaboração.

Cumprimentos
Luis Rocha

12:30 PM  
Blogger Luis Rocha said...

nota: o editor da Petroleum Review é Chris Skrebowsky e o relatório é que é "Oil Field Mega Projects 2004".

12:32 PM  

Post a Comment

<< Home

Comunidade Portuguesa de Ambientalistas
Ring Owner: Poli Etileno Site: Os Ambientalistas
Free Site Ring from Bravenet Free Site Ring from Bravenet Free Site Ring from Bravenet Free Site Ring from Bravenet Free Site Ring from Bravenet
Site Ring from Bravenet